sábado, 30 de novembro de 2013

Criminosos criam sites falsos para espalhar vírus

Os criminosos da Internet estão investindo cada vez mais em novos métodos para espalhar códigos maliciosos contra os usuários de computador. A nova tática agora envolve a manipulação de web sites, que estão sendo transformados em slingers de malwares, ou seja em correia de transmissão de pragas virtuais para atingir o maior número de pessoas possíveis. A nova tática foi identificada pela G Data, fornecedora de soluções antivírus, que possui seus produtos distribuídos pela First Security.
Basta o usuário visitar uma página contaminada para que corra sérios riscos de ter seu computador ou dispositivo contaminado, podendo ter suas senhas e dados bancários e de cartões de crédito roubadas. Para atrair usuários desavisados para esta armadilha, os criminosos utilizam uma série de temas diferentes de sites, incluindo sites falsos ou manipulados relacionadas à TI e telecomunicações, lojas online, sites e blogs de pornografia. A G Data  listou 10 áreas temáticas de site mais perigosos.
"Hoje em dia os sites estão se tornando a principal plataforma para a divulgação de todos os tipos de malware. Os criminosos cibernéticos criam mecanismos diversos que direcionam os sites para atacar os usuários e basta apenas uma simples visita ao site para infectar um PC com malware", explica Ralf Benzmüller, chefe do G Data Security Labs.
Os malwares podem estar à espreita em vários sites diferentes e por isto o especialista acredita que os internautas devem usar uma solução de segurança abrangente que inclua um firewall e o monitoramento de todo o tráfego HTTP. Ele também recomenda a não clicar em links de e-mails de desconhecidos e spam e orienta instalar todos os programas que utilizar com a função de update habilitada.
A G Data organizou um Top 10 de temas mais utilizados em sites perigosos. Em quatro de cada dez casos, os autores usam plataformas com informação sobre computadores, telecomunicações, software e hardware, sites com conteúdo pornográfico e sites sobre empresas individuais.



 Além disto, lojas on-line falsas ou manipuladas, de saúde e de blogs diversos também são utilizadas. Em contraste, os temas de esporte e contribuições fraudulentas para fóruns desempenham um papel um pouco menor neste cenário.
Tecnologia e Telecomunicações – 15,8%
Pornografia – 13,4%
Negócios  - 11,5%
Lojas online – 8,9%
Blogs – 5,7%
Saúde – 4.6%
Viagens – 4,1%
Entretenimento – 3,9%
Educação – 3,5%
Games – 3,2%
Mais informaçõeshttp://www.firstsecurity.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário