quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Passo a Passo para ligar dois roteador Wi-Fi na mesma rede ( Roteador Repetidor Sinal )

Neste tutoria vamos apreender a  amplificação do sinal por meio do uso de um segundo roteador (repetidor de sinal) posicionado em uma porção da residência onde o sinal do primeiro roteador começa a enfraquecer. Nesse tutorial nós ensinaremos como transformar basicamente qualquer roteador Wi-Fi, novo ou velho, num roteador repetidor de sinal. O que acha? Tire aquele roteador antigo da gaveta e melhore o alcance, a estabilidade e a velocidade da sua rede sem fio! Não esqueça de salvar ou imprimir esse guia antes de executá-lo, já que você ficará sem internet durante o processo.
Conforme colocamos acima, a solução mais simples para adicionar um segundo roteador à sua rede é sair e comprar um roteador repetidor, mas isso pode sair muito caro! Nós achamos bem mais inteligente você utilizar um roteador comum e prepará-lo para funcionar como um roteador repetidor. De forma prática, a única diferença entre a rede com um roteador repetidor de fábrica e uma rede com dois roteadores comuns corretamente configurados é que no segundo exemplo cada roteador cria a sua própria rede com sua própria senha, apesar do sinal ser originalmente o mesmo. Na figura abaixo nós colocamos um exemplo de como você pode distribuir dois roteadores na sua casa para aumentar o sinal da sua rede sem fio. Nesse exemplo a cozinha, que antes não tinha Wi-Fi por conta da distância até o primeiro roteador (R1), aquele ligado ao modem, agora recebe sinal intenso a partir de R2 (que é um roteador normal, funcionando como um repetidor).
Exemplo da aplicação de um roteador comum funcionando como um repetidor numa residência.
Vale lembrar que R1 e R2 não precisam ser da mesma marca ou modelo. A única coisa importante é você não confundir qual aparelho é qual durante o tutorial. Antes de começar esse guia faça uma marca que identifique cada aparelho. Sugiro que você deixe o roteador mais novo ou mais potente como R1 e o inferior como R2.
Está tudo muito bonito (inclusive minhas habilidades de desenho postas à prova acima), mas como é que se configura esse treco? Abaixo nós descrevemos os passos para configurar os dois roteadores adequadamente. Caso você esteja familiarizado com configurações de roteadores e queira uma versão expressa do tutorial, aqui vai: basta desligar a função DHCP de R2 ao mesmo tempo em que se garante que o IP interno de R1 é diferente de R2 (que possivelmente já é o caso, se você estiver usando roteadores de marcas diferentes). Parece complicado? Não se preocupe que abaixo nós explicamos direitinho. O jeito mais fácil de configurar os roteadores é ligar um notebook numa das portas LAN (qualquer uma) de cada um dos aparelhos e configurá-los um de cada vez,separadamente. No fim desse tutorial nós iremos conectar um roteador no outro, mas todo o processo de configuração deve ser feito antes deles estarem ligados por meio de um cabo. Vou repetir mais uma vez: configure cada roteador separadamente, sem conectar um no outro.
Para seguir os passos abaixo, você terá que ter acesso ao painel de controle dos dois roteadores. Caso você tenha dúvidas sobre como fazer isso, dê uma olhada nesse guia para descobrir o IP de cada um dos roteadores, e confira esse nosso outro tutorial para descobrir como acessar o painel de controle de um roteador. Vale ressaltar que nós utilizamos um TP-Link 941N para preparar esse guia. A interface do seu roteador pode variar um pouco de acordo com a marca e o modelo, mas normalmente as opções são parecidas. Caso você tenha alguma dúvida consulte o manual do usuário impresso ou online para se familiarizar com o painel de controle do seu roteador especificamente. Os passos abaixo começam com o painel de controle de cada um dos roteadores já acessado.
Passo 1: Configurando R1 para funcionar como um roteador normal
Se você tiver uma rede já em funcionamento, é possível que você não precise mudar nenhuma configuração do R1. Dentro do painel de controle de R1, navegue até a função DHCP e certifique-se de que a mesma está ligada (retângulo vermelho da figura abaixo). Essa é a função do roteador que distribui os diferentes IPs internos para os aparelhos conectados na rede, tanto por cabo quanto por Wi-Fi. No nosso roteador de exemplo, há uma guia dedicada a essa função (retângulo verde da figura abaixo). O último passo de configuração de R1 é verificar e anotar o IP interno que está destinado ao próprio roteador (não é necessário mudar esse número, só anotá-lo num papel para usarmos depois). No nosso roteador, esse número, o endereço de IP 192.168.1.1, pode ser facilmente encontrado já na primeira tela do painel de controle (retângulo azul da figura abaixo).
Configuração de R1 com DHCP ligado (vermelho) e IP interno destacado (azul).

Passo 2: Configurando R2 para funcionar como repetidor
Agora que você já configurou R1, desconecte o cabo do mesmo e ligue o seu computador em R2. Alguns modelos de roteador possuem em seu painel de controle uma opção de Acess Point ou Ponto de Acesso. Nesses aparelhos essa opção transforma o equipamento automaticamente num roteador repetidor. Caso o seu roteador tenha essa opção, basta que você a selecione e pronto!
No entanto, normalmente essa configuração tem que ser manual. A primeira providência a ser tomada no painel de controle de R2 é desligar o DHCP (elipse preta da figura abaixo) para que não haja confusão na distribuição de IPs dentro da rede, ou seja, somente R1 terá essa função ligada.
O outro passo extremamente importante é garantir que o IP interno de R2 é diferente do IP interno de R1. No nosso roteador de exemplo, R1 usa os IPs de 192.168.1.100 até 192.168.1.199 para identificar qualquer dos computadores na rede (elipse vermelha da figura abaixo). Dessa forma, eu escolhi o edereço 192.168.1.2 para ser o IP de R2 (ou seja, um número próximo, mas fora do intervalo de IPs fornecidos por R1), como pode ser visto na elipse verde da figura abaixo. O motivo do IP de R2 estar fora do intervalo de IPs fornecidos por R1, é que assim evita-se completamente a chance de conflitos de IP entre qualquer dos computadores da rede (que terão sempre um IP entre 192.168.1.100 e 192.168.1.199) e R2 (cujo novo IP é 192.168.1.2).
Mudar o endereço de IP do roteador em si é muito fácil. Basta você digitar o novo endereço no campo apropriado dentro do painel de controle do roteador. No caso do aparelho desse exemplo, essa opção se encontra na guia Network (Rede), na subguia LAN (Local Area Network), como pode ser visto na elipse azul da figura abaixo. Lembre-se que se R1 e R2 forem de fabricantes diferentes é possível que seus IPs também já sejam diferentes, dispensando qualquer tipo de alteração desse tipo.
Configurações de R2 com DHCP desligado (preto) e IP interno (verde) fora do intervalo de IPs dado por R1 (vermelho).
Passo 3: Conectando R1 a R2
Pronto! Agora que você já configurou os dois roteadores com sucesso, basta ligar um no outro. A idéia toda é fazer com que o segundo roteador (R2) sirva de mero repetidor do sinal fornecido pelo primeiro roteador (R1). Para isso basta usar um cabo ethernet saindo de uma porta LAN de R1 para uma outra porta LAN qualquer de R2. Na figura abaixo nós estamos usando dois roteadores TP-Link 941N para demonstrar o arranjo necessário dos cabos. Note que a porta WAN de R2 permanece vazia e R2 é ligado a R1 como se fosse um computador qualquer, por meio das portas LAN.
Se você ligar um roteador no outro antes de executar os Passos 1 e 2 desse tutorial há uma grande chance de você não ter acesso ao painel de controle dos aparelhos, principalmente se os dois tiverem o IP de fábrica igual. Novamente, configure tudo direitinho antes de ligar R1 em R2.
Arranjo dos cabos para usar a função repetidora de roteadores comuns. Note que a porta WAN de R2 permanece vazia e R2 é ligado a R1 como se fosse um computador qualquer.
E é isso! Agora você já pode desfrutar de sinal Wi-Fi intenso dentro de uma área muito maior de sua casa. Posso confirmar para vocês que aqui em casa eu liguei dois TP-Link 941N e tenho sinal completo nos dois andares e até no canil, que fica no fundo do quintal, onde os downloads são rápidos o bastante até para streaming de vídeos.
Obervações
  • Como nós explicamos na introdução, tanto R1 e R2 criarão a sua própria rede Wi-Fi. Se os roteadores forem da mesma marca e modelo, as redes criadas podem inclusive ter o mesmo nome. Para diminuir a confusão, é importante que você se certifique que as redes sem fio criadas por cada um dos roteadores tenham nomes diferentes. Isso pode ser feito facilmente através do painel de controle de um dos roteadores (R1 ou R2). Na maior parte dos roteadores essa opção se encontra na guia Wireless (Rede sem Fio), sob a opção SSID, conforme pode ser visto no retângulo preto dessa próxima figura. Para achar essa opção no seu aparelho, consulte o manual do usuário. Coloque algo fácil de lembrar como Seu Nome 1 para R1 e Seu Nome 2 para R2.
Opção para mudança do nome da rede sem fio, mostrada no retângulo preto.
  • Vocês também devem ter notado que R1 deve ser ligado a R2 por meio de um cabo. Se por acaso você não puder estender um cabo de R1 para R2 outras estratégias têm que ser tentadas. Na minha opinião a melhor opção é usar adaptadores para transmissão de sinal de internet através da rede elétrica da casa. Esses aparelhos são bastante caros e funcionam por permitir que um sinal de um roteador seja transferido para uma tomada elétrica normal. Esse sinal é então captado por um outro adaptador colocado numa tomada em outro ponto da rede elétrica. Esse segundo adaptador funciona como um roteador repetidor. O dois maiores problemas dessa solução são o custo muito alto (investimento médio superior a R$ 500,00) e a possibilidade de vários problemas de interferência de sinal, principalmente em casas de fiação antiga ou com tubulação muito apertada. Em breve nós estaremos fazendo o review de um desses adaptadores aqui no TD Gadgets.
  • A segunda melhor opção para quem não pode usar um cabo para ligar R1 a R2 é usar o programa Maryfi. Esse programa usa a placa Wi-Fi de qualquer PC para replicar um sinal de rede qualquer. 
  • A maior vantagem dessa opção é que o computador rodando o Marify não precisa estar ligado num cabo, podendo criar uma rede Wi-Fi virtual a partir de outra rede sem fio (Wi-Fi ou 3G, por exemplo). Para mais detalhes de como usar o Marify, fique ligado no TD Gadgets.

Nenhum comentário:

Postar um comentário