quarta-feira, 1 de maio de 2013

16 lições para ter sucesso na carreira


Ideias úteis, práticas e, melhor, testadas e aprovadas. São lições que você pode utilizar no dia a dia para ser mais eficiente, mais produtivo e ter sucesso no que faz. Aprenda com elas.
Por que é importante: só um esforço incomum leva a um resultado acima da média. O esporte está cheio de exemplos de dedicação obstinada que leva à vitória. É possível reproduzir esse esforço em qualquer trabalho.
Ensinamento: “Sempre faço o que meu técnico pede e um pouco mais. Se o treino exige que o ginasta fique cinco segundos parado na argola, por exemplo, eu fico seis. Sei que futuramente isso me dará resultado e não me trará lesões.” Artur Zanetti, 22 anos, que nos Jogos de Londres, em julho, tornou-se o primeiro brasileiro a receber uma medalha de ouro na ginástica olímpica. Artur treina de seis a sete horas diariamente, de segunda a sábado.
Por que é importante: tomar decisões, algo que o dia a dia do trabalho exige, é muitas vezes fazer escolhas. E toda escolha implica uma perda. Ao se decidir por um fornecedor, por exemplo, automaticamente todos os outros são excluídos. O que diferencia a boa escolha da ruim é o método: qual critério usar, que objetivo você tem.
Uma exposição de arte é o resultado de uma série de escolhas feitas por um curador, que pretende passar ao público uma mensagem por meio da seleção das obras que foram à mostra.
Ensinamento: “Para fazer uma escolha é preciso mergulhar profundamente no assunto, estar muito bem informado. A partir daí você cria critérios. O mais importante é saber o que você quer transmitir com aquela escolha.” Heloísa Espada, 37 anos, coordenadora de artes visuais do Instituto Moreira Salles, mestre e doutora em história, teoria e crítica da arte pela Universidade de São Paulo. 
Por que é importante: carreira e finanças pessoais devem ser planejadas em conjunto. Ao evoluir profissionalmente, você recebe e acumula mais dinheiro. Parte dele deve ser investido de volta em mais aprendizado. Autonomia financeira também permite decisões de carreira mais arrojadas, que possibilitam saltos maiores na vida. 
Ensinamento: “Sem enxergar o destino e fazer um plano, você não consegue atingir os objetivos. Em finanças, existem três regras básicas: entender que há risco, definir o tempo do investimento e ter disciplina. Na carreira não é diferente. Sempre trabalhei com metas profissionais semestrais. Sem definir uma meta, não saberia aonde chegar. Comecei a empresa sabendo que havia risco de perder tudo. Mas sabia que, quanto mais dinheiro guardasse, mais coragem teria para ir em frente, pois haveria um colchão. Por isso, só gastava o necessário e não fazia nenhum tipo de exagero.” Guilherme Benchimol, 36 anos, dono da XP Investimentos, corretora de investimentos que deve ter uma receita de 400 milhões de reais neste ano.
Por que é importante: o principal traço do trabalho atual é a total responsabilidade que o profissional tem sobre o progresso de sua carreira. Importantes nomes da teoria moderna de gestão, como Michael Porter, Raymond Miles e Michael Arthur, já escreveram sobre o assunto.
Hoje, cada um tem a missão de administrar a própria evolução. Isso requer planejamento, coisa que profissionais de logística podem ensinar. Afinal, o destino define que caminho deve-se tomar. 
Ensinamentos: “Na área de transportes, você sempre trabalha com um plano de contingência. Se uma rota dá errado, é preciso ter uma alternativa. Em carreira, é o que chamamos de plano B. Para mim, isso significa nunca parar de se atualizar e de acompanhar as tendências. Assim, se um dia precisar procurar um novo trabalho, estarei  preparada.” Vera Lúcia Lima, 55 anos, gerente sênior de operações da transportadora FedEx e responsável pela operação na Grande São Paulo, área mais complexa para a empresa.
“Em logística, o planejamento é a essência de um bom resultado. Nunca começamos um projeto sem entender qual o problema a ser resolvido. Fiz isso com a minha carreira. Assim que me formei, planejei os dez primeiros anos. Analisei que competências e contatos eu deveria ter para crescer. No começo, optei por trabalhar em um lugar que me permitisse aprender e evoluir com segurança. Estou prestes a completar esses dez anos e vou fazer novo planejamento.” Thiago David Bastos, 35 anos, gerente de planejamento e controle de produção da ALL, companhia de logística com sede em Curitiba. Ele é o responsável por fazer o controle do tráfego dos 21.300 quilômetros de ferrovia que a empresa opera. 


Por que é importante: nem tudo sai como o planejado. Qualquer jornada pode sofrer reveses. Saber lidar com eles é a chave para seguir em frente. Quem trabalha com TI, por exemplo, precisa conviver com mudanças de prazo, de orçamento ou de abrangência de um projeto — aprender rapidamente a adaptar-se a novos cenários.
Ensinamento: “Nos imprevistos é preciso ser criativo e manter a calma. Ter criatividade porque você pode não ter a solução pronta para o contratempo e precisará inventá-la. E ter calma porque, caso se desespere, não tomará boas decisões. Na carreira, as surpresas também são momentos importantes para trocar experiências, pois aprendemos muito com a visão dos outros.” Maria Gladis Orsi, 35 anos, diretora comercial responsável pelos contratos nacionais da Stefanini, empresa brasileira de tecnologia da informação, de São Paulo. Formada em engenharia da computação, está no cargo há dois anos.
Por que é importante: para quem precisa falar muito em negociações ou reuniões, por exemplo, ter clareza de raciocínio ajuda a prender a atenção e a transmitir ideias complexas. Advogados são os craques nesse assunto. Durante um julgamento, eles têm poucos minutos para expor seus pontos de vista e ser convincentes. O segredo está na preparação. Antes de subir à corte, os advogados passam e repassam seus discursos. 
Ensinamento:  ”Estruture o discurso em frases curtas. Isso causará mais impacto na audiência.”
  • “Escolha três argumentos importantes — os mais decisivos e impactantes —, mesmo que tenha outros assuntos.”
  • “Quando quiser impressionar, faça uma leve pausa antes de concluir a frase.”
  • ”Ao final da fala, faça um resumo com os principais pontos levantados. Assim você reforça o que realmente é importante.” 
Carlos Roberto Siqueira Castro, 63 anos, sócio e fundador do Siqueira Castro – Advogados, do Rio de Janeiro, um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil.
Por que é importante: entre profissionais de vendas e marketing, existe uma máxima segundo a qual mais importante do que fazer a primeira venda é conquistar o cliente para que ele volte sempre. Em português, o princípio por trás disso chama-se fidelização, ou seja, tornar o cliente fiel. Esse é um trabalho de relacionamento, construído por meio de experiências positivas para ambas as partes. Na carreira, laços fortes ajudam não só a fechar negócios, mas também nas indicações de vagas e promoções. 
Ensinamento: “Em uma venda, nem sempre você ganha, mas precisa estar ali, mostrando empenho. Quem não é visto não é lembrado. Um bom vendedor é aquele que visita o cliente com frequência, que não apenas oferece produtos com bom preço, mas sim um bom serviço. Ele não deve vender só por vender, o cliente tem que ganhar também, só assim ele se manterá fiel. Isso vale não só para clientes, mas para qualquer relacionamento profissional. Na minha carreira sempre cultivei muitos contatos. Ajudo e sou ajudado. Bom relacionamento é essencial.” Rômulo Dantas, 49 anos, vice-presidente de vendas da PepsiCo, donas de marcas como Elma Chips e Gatorade, que nos últimos cinco anos dobrou o faturamento no Brasil.
Por que é importante: a franqueza é, ao lado da transparência, da integridade e da responsabilidade, um dos princípios éticos do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri), entidade que congrega profissionais dessa categoria no país. Para quem precisa ser a voz da empresa no mercado financeiro, agir com sinceridade e isenção é fundamental para construir credibilidade. Na carreira, essa lição se aplica nas conversas duras, como negociações, feedback e pedidos de aumento. 
Ensinamento: “O meu principal objetivo é conquistar a confiança dos investidores. Às vezes preciso dar uma notícia ruim. A melhor forma de fazer isso é sendo muito transparente. Resolver as demandas no prazo e mostrar disponibilidade ajuda no processo de confiança.” Vinicius Campos, 35 anos, gerente de relações com investidores da fabricante de papéis para embalagens Klabin, empresa que teve, desde janeiro de 2011, suas ações na bolsa valorizadas em 55%, enquanto o Ibovespa apresentou retração de 19%.
Por que é importante:em qualquer carreira, a capacidade de se comunicar é uma das competências mais exigidas de um profissional. Uma pesquisa do Project Management Institute Brasil (PMI) com 300 empresas mostrou que em 76% delas os projetos não dão certo porque os profissionais não sabem escrever nem falar bem. Ser um bom comunicador não significa ser extrovertido, mas saber como passar uma informação de forma efetiva, garantindo que a mensagem seja levada adiante. 
Ensinamento: “Uma das mais importantes estratégias de uma área de comunicação corporativa é analisar o que é relevante para cada público da empresa. Para isso, você precisa entender com quem está falando. É importante, por exemplo, saber como cada indivíduo gosta de se comunicar — se pessoalmente, por telefone ou por e-mail.Isso facilita a recepção da mensagem e contribui para a sua compreensão. No trabalho, pode-se fazer o mesmo. Se você sabe como seu superior ou sua equipe gostam de receber uma notícia, a informação tem maiores possibilidades de ser transmitida com sucesso.” Márcia Goraieb, 45 anos, vice-presidente de comunicação da Ericsson, fabricante de equipamentos de telecomunicações, responsável pelas relações públicas e internas da empresa na América Latina e no Caribe há dois anos e oito meses. 
Por que é importante: ter um bom currículo, estar bem-vestido e ter indicação são importantes na hora de concorrer a uma vaga. No entanto, o comportamento em uma entrevista vale muitos pontos na hora em que a empresa vai bater o martelo.
Ensinamento: “Quando entrei no Facebook, procurei fazer as mesmas coisas que sempre apreciei na atitude de um candidato — o nível de informação que ele apresentava sobre a empresa e o mercado, se sabia responder clara e objetivamente às perguntas, se trazia questões, se mostrava interesse em conhecer mais sobre a cultura da companhia e sobre os passos seguintes do processo.” Ana Carolina Borghi, 43 anos, gerente de recursos humanos do Facebook para a América Latina, contratada há oito meses.
Por que é importante: ter uma boa rede de contatos vai além de distribuir cartões, adicionar pessoas no LinkedIn ou lotar a agenda de números telefônicos. É preciso fazer com que as relações sejam duradouras. As estratégias usadas por grandes marcas nas redes sociais são uma ótima maneira de aprender como fazer isso no networking profissional. 
Ensinamento:  ”Envolva-se em assuntos interessantes. Caso contrário, as pessoas não irão querer você na rede delas.”
  • “Esteja disponível para ouvir. Isso agrada a audiência.”
  • “O que você fala precisa estar alinhado com sua atitude. Isso é observado e, se houver diferença, irá gerar um ruído desconfortável.”
  • “Se estiver inseguro, não compartilhe uma informação.”
Ana Laura Melo, 31 anos, sócia-fundadora da Remix, provedora de serviços de redes sociais, de São Paulo, que cuida de marcas como Electrolux, CI Intercâmbio, Bob’s e Batavo.
Por que é importante: reclamar demais, sobrevalorizar-se, julgar as pessoas e fazer comentários destrutivos são os quatro primeiros entre os 20 principais hábitos mais irritantes do trabalho, segundo o coach Marshall Goldsmith, um dos principais especialistas de carreira do mundo na atualidade. Para não ficar irritado, é preciso muito controle. Os operadores de telemarketing sabem bem como lidar com isso. A maioria das ligações que recebem é de clientes que querem reclamar de algum problema. 
Ensinamento: “Antes de mais nada, não bata de frente e muito menos queira parecer simpático, isso soará irônico e arrogante. Seja compreensivo. Use o conhecimento que você tem sobre o assunto e sobre a pessoa, o que ajudará a entender melhor os porquês da irritação. Se ele estiver correto, analise a melhor forma de resolver e dê um tempo determinado para solucionar o problema. Se estiver errado, mostre o seu lado.” Raul Netto, 40 anos, diretor de operações da Teleperformance, de São Paulo, responsável por todos os atendentes da empresa Lição 13 A rede deve ser cuidada.
Por que é importante: Novas ideias são muito valiosas para as empresas. Elas ajudam na inovação, reduzem custos e garantem o futuro do negócio. Uma boa ideia também traz visibilidade e é bom para a carreria. Por isso, é importante reconhecer quando você teve uma boa sacada. Desenvolvedores de aplicativos para computador e celular são farejadores de inovações. Veja o que um deles fala sobre ideias. 
Ensinamento: “Uma boa ideia é aquela que torna a vida melhor, mais rápida ou mais fácil. Sacadas ocorrem o tempo todo, mas a vencedora é sempre muito simples e tem que gerar um ganho. Você reconhece uma quando consegue olhar para um problema e vê que ele deixará de existir com aquela solução.” Danilo Toledo, 29 anos, sócio-fundador da I.ndigo, que faz aplicativos de celular para Banco Safra, Café Pilão e McDonald’s. Ele criou uma consultoria que ajuda clientes a identificar ideias criativas.
Por que é importante: uma pesquisa realizada pela VOCÊ S/Aem parceria com Christian Barbosa, especialista em gestão de tempo, mostrou que 57% dos executivos dizem que às vezes deixam trabalho para depois e 12% afirmam que sempre prorrogam os deveres. Além da procrastinação, outros males do mundo corporativo são as constantes interrupções, as intermináveis reuniões e a falta de objetividade. Ser organizado é essencial para o sucesso. Inspire-se no exemplo de dois presidentes.
Ensinamentos: “Quando você assume um nível de responsabilidade, tem que ser objetivo. Por isso, reunião tem que ter pauta e ser direta; tem que ter hora para começar e para acabar. É preciso ter agenda.” Eduardo Barella, 31 anos, presidente da Progen, empresa de projetos de engenharia, de São Paulo, que assumiu o cargo aos 29 anos, substituindo o pai.
“Às vezes faço reunião no próprio aeroporto. Marco cafés da manhã e reuniões durante um trajeto. Aproveito para jantar com a minha equipe e com clientes. Uso muito o tempo que estou fora da minha base para doar a meu time e à companhia. Eu procuro ser pontual e planejar a agenda.”Cléber Morais, 47 anos, presidente da Bematech, fabricante brasileira de impressoras fiscais e leitores de código de barras, que já trabalhou em multinacionais, aprecia a pontualidade dos americanos.
Por que é  importante: passamos horas no escritório todos os dias, imersos na pressão, na cobrança e nas tarefas enfadonhas. Para enfrentar tudo isso, criar pequenos momentos de descontração é importante. Um humorista pode indicar como ser divertido no trabalho sem parecer forçado ou inadequado.
Ensinamento: “Para ser engraçado, é interessante pegar situações com as quais todos se identificam, mas pensam que ninguém mais passa por aquilo. Tem que ser espontâneo, impulsivo e ter coragem de abordar os temas. Tem que saber, também, que não pode passar dos limites.Brincadeira tem espaço. As piadas que faço ou no site ou com meus amigos são muito diferentes das que faço com meu chefe.” Marcelo Cidral, 24 anos, publicitário da agência LoV, de São Paulo, e criador do site Como Eu Me Sinto Quando, que brinca com situações do cotidiano e tem, mensalmente, 20 milhões de visualizações de página.
Este artigo foi escrito por Lucas Rossi, da Revista Exame.

Nenhum comentário:

Postar um comentário