quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Equipe e Comprometimento


Equipe e Comprometimento 

A busca por maior competitividade nos negócios, que viabilize melhores resultados econômicos e financeiros, acaba sempre se deparando com os processos de aumento de produtividade nas operações e na necessidade de parceiros internos criativos, adequadamente treinados e comprometidos com a empresa.

Quando se fala de equipes criativas e de alto desempenho, muitas vezes deixa-se de abordar as questões fundamentais que tornam isso possível. Como dizia Geraldo Vandré em "Disparada", "Gente é diferente!". Vem, então, o maior de todos os problemas da Gestão de Competências: Como harmonizar e transformar um grupo de pessoas competentes e criativas em uma equipe vencedora? Será que apenas altos salários, benefícios, incentivos, agregam valores e permitem condições adequadas de desempenho? Acho que não. Valores intrínsecos de caráter e personalidade são fatores a serem tratados e harmonizados em prol da consecução de objetivos coletivos! Vou propor aqui uma breve reflexão sobre desafios, que considero indispensável, a serem vencidos para obtenção de um ambiente de trabalho criativo, motivador e de valores individuais alinhados para o trabalho em equipe de alto desempenho.


  • Harmonizar Propósitos - Quando "juntamos" pessoas e as colocamos num processo produtivo, nem sempre estão claros objetivos e expectativas que justifiquem a permanência de cada um em sua atividade. Trabalho: algo construtivo, edificante, desafiador; Emprego: algo entediante, rotineiro, morno, apenas pelo dinheiro. O primeiro grande desafio é criar nas pessoas o entusiasmo pelo Trabalho e não pela manutenção do Emprego (ou puro ganho financeiro), através da disseminação de valores e desafios individuais contrapostos aos objetivos da empresa.

  • Desenvolver Confiança - Confiar vem de atribuir fé, enquanto que acreditar vem de dar crédito. Confiança é um sentimento abstrato, enquanto Crédito é algo material, concreto! Confiar compromete, enquanto acreditar apenas envolve as pessoas. Quando as pessoas confiam umas nas outras (técnica e socialmente) costumam acreditar e respeitam-se mantendo relações profissionais transparentes e saudáveis. O segundo grande desafio é despertar no grupo o sentimento de confiança como base para a credibilidade nas relações e operações.
  • Introduzir Indicadores - As equipes de alto desempenho não surgem por acaso, nem por fatalidade. São extremamente orientadas por Indicadores de Desempenho e Gestão e a todo o momento comparam seu desempenho efetivo com parâmetros previamente acordados e estabelecidos, corrigindo seus desvios em prol do sucesso da operação. Seguem à risca o famoso "Um por todos e todos por um" sem o que chamo de "corporativismo perverso" que protege o faltoso acima da falha. O terceiro grande desafio é promover um diálogo aberto e transparente voltado a elaborar, pactuar e instituir um sistema de Indicadores de Desempenho com o propósito de melhorar a gestão e servir de ferramenta norteadora da equipe.
  • Estimular a Competitividade - Pode até parecer estranho propor um aumento de competitividade como fator para desenvolvimento de uma equipe de alto desempenho. É que temos nos acostumado a associar competitividade com competição e não com competência. O que desejamos é que a equipe zele pela competência. De que forma? Buscando com todo o empenho possível dividir conhecimentos pessoais com os demais, a fim de fazer a equipe sempre evoluir. Viva a individualidade, abaixo o egoísmo. No balcão de uma loja de autopeças há troca de informações intensas entre balconistas e mecânicos, o que acaba propiciando a capacitação prática, por parte do balconista, para inúmeros problemas de outros clientes. Todo balconista, mesmo sabendo disto acaba não compartilhando estes conhecimentos com a equipe, agindo de modo puramente egoísta! O quarto desafio é estimular a competitividade na equipe mediante a busca pela complementação dos conhecimentos individuais disponibilizados ao todo.
  • Aprimorar a Comunicação - Promover debates, voltados à resolução de conflitos e problemas, é fundamental para melhorar a sinergia da equipe. A falta de transparência na comunicação acaba por promover o surgimento de adivinhações e fofocas, minando o grupo e o clima organizacional. Esconder ou adiar para nunca a discussão e solução de problemas, por mais doloridos que sejam, é o caminho para quebrantar o desempenho da equipe. O quinto desafio é sistematizar as formas de comunicação, formalizando em comunicados e fóruns de debates que envolvam a todos!
  • Viabilizar o Moderador - Toda equipe de alto desempenho, apesar de gozar de autonomia quanto às responsabilidades atribuídas, necessita de diretrizes claras e de agentes balizadores de tomada de decisão. Alguém tem que assumir a coordenação e ser o "mentor" que aloca os recursos e altera as estratégias no decorrer do jogo! Alguém de visão clara do propósito e com visão dinâmica do processo. Alguém imparcial nos julgamentos, sempre direcionado pela voz do cliente e pelas disponibilidades da empresa. Este "coach" tem por missão harmonizar expectativas e ser o conciliador da equipe frente às metas perseguidas. O sexto desafio é contar com a colaboração de um agente moderador imparcial, que harmonize objetivos e pessoas em benefício de resultados.
  • Priorizar a Qualidade - Faço aqui minha defesa de tese: "Nenhuma empresa evidencia qualidade superior ao somatório das qualidades individuais de seus colaboradores". Difundir uma visão de "ausência de defeitos", voltada aos objetivos da Qualidade Total tem um caráter transformador e entusiasta em toda equipe. Pare de atribuir padrões "policialescos", ostensivos e punitivos. Incentive a qualidade e prepare toda equipe para voltar-se a ações pró-ativas e inovadoras, no âmbito de suas responsabilidades e atribuições. Fazer continuamente melhor, desde a primeira vez, deverá ser o objetivo de todos. O sétimo desafio é disseminar uma visão da Qualidade de Gestão envolvente e inovadora que atinja indistintamente toda a equipe, promovendo um novo pensar e agir para o negócio.
Esses sete desafios, que propus para reflexão, se originaram de duas grandes questões que me foram feitas e que são feitas por milhares de empreendedores: Como criar um sentimento de equipe? Como desenvolver o comprometimento?
Quero concluir que as respostas para estas questões passam por uma avaliação dos propósitos de gestão do negócio e invade o limite das relações humanas de credibilidade e satisfação. Uma ação empreendedora voltada à inovação, seriedade e quebra de velhos paradigmas como o tradicional "Manda quem pode, obedece quem tem juízo", que encare desafios de forma corajosa e ousada é a grande esperança de resposta a estas questões.
 Por Vagner Molina.
Fonte: Blog de Vagner Molina


Nenhum comentário:

Postar um comentário