sexta-feira, 30 de junho de 2017

Brasileiros consideram aplicativos tão importantes como comer, beber e respirar

Qual a importância dos aplicativos em nossas vidas? Será que podem ser considerados mais importantes do que comer e beber? Ou tão importantes quanto a luz do sol ou estar com nossas famílias? De acordo com os resultados do Relatório de Inteligência de Aplicativos da A10 Networks – AIR (sigla em inglês para Application Intelligence Report), aplicativos pessoais e profissionais estão tão integrados em nossas vidas que muitas pessoas ao redor do mundo acreditam que é impossível e até fisicamente desconfortável viver sem eles, comparando sua importância às necessidades básicas dos seres humanos como comer, beber, respirar e socializar.
Para o levantamento, foram entrevistadas mais de 2000 pessoas entre profissionais de negócios e TI de companhias de variados setores em 10 países, que representam algumas das maiores economias e possuem o maior crescimento da adoção de tecnologias, incluindo, além do Brasil, China, França, Alemanha, Índia, Japão, Singapura, Coreia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos. A pesquisa AIR utilizou uma abordagem simples para examinar os lados humanos e culturais das tendências tecnológicas, especialmente, a interação das pessoas com aplicativos e as implicações crescentes de segurança da informação que impactam as vidas pessoais e profissionais.
Algumas das principais revelações da pesquisa apontam que 58% dos brasileiros acreditam que aplicativos são igualmente importantes ou tão importantes como água, comida e moradia, frente a uma média global de 49%. Quando perguntados sobre sua dependência dos aplicativos, 96% dos brasileiros respondeu que não pode viver sem eles ou que até conseguiriam, mas isso seria um grande esforço. A média mundial também é elevada, de 84%.
Os brasileiros ainda responderam que preferem perder as calças e as chaves do carro do que perder seu smartphone, ficando atrás apenas dos chineses e sul coreanos, quanto ao desespero de perder o dispositivo.

Mesmo com toda esta dependência, o brasileiro só se preocupa com a segurança da informação na hora de baixar e instalar aplicativos – 86% concordam que há riscos, acima da média mundial de 83%. Depois desta etapa, dois entre três brasileiros colocam sua confiança de que de desenvolvedores e o departamento de TI de suas empresas irá cuidar da segurança dos seus dispositivos contra criminosos virtuais.
Quando perguntados sobre serem possíveis vítimas de ciberataques, 29% responderam que “Apenas tentam não pensar sobre isso” e 50% confiam nos fabricantes, empresas, desenvolvedores e equipe de TI para mantê-los seguros. Ainda, o brasileiro se comporta mal no que se refere às senhas – 44% usam o mesmo código de acesso para todos ou a maioria de seus apps, comparada à média global de 40% no restante dos países.
“Entender a dependência de aplicativos em nossas vidas levanta questões sobre a preocupação que colocamos na segurança de nossas informações pessoais e a importância de considerarmos o uso de aplicativos em dispositivos e redes corporativas. A percepção do AIR sobre tendências comportamentais com aplicativos e o impacto no risco pessoal e de negócios é um tópico que não é abordado o suficiente. Como fornecedores de segurança da informação, vemos a necessidade de aumentar os investimentos em pesquisas do comportamento humano sobre tecnologia. Afinal, a melhor tecnologia de segurança pode ser prejudicada por comportamentos negligentes e nós queremos ajudar nossos clientes a protegerem seus investimentos, negócios e colaboradores”, afirma Neil Wu Becker, VP de Marketing e Comunicações da A10 Networks.
Fonte: http://www.tibahia.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário